O Natal aprrochêgasse e lá tem a malta a mania de irr ó cirrque. Esta árrte está cada vez mais desgrraçáda. Foi aí quê me alembrrei…e se eu cá fizêsse um cirrque adaptáde à nossa cidade? Eia, caganda ideia! Foi só juntarr uns tarrecos, fazêrr uns contáctes, pedirr uma ajedinhas e em dois dias táva […]

Read More

Táva eu em casa na paz do descanse quié coisa que eu nã sei fazerr e alembrreime “mas afinal o qué insse do Setubalão?” Todos falem nisse mas nã sabem porrque existe, essa forrça que nos impele de dzêrr mal que nã se faz e ódespois de tarr feite dzêrr mal à mêma e fazêrr […]

Read More

Um gáje tem que mudarr e sié pa mudarr que seja prra melhórr…a loja é do bairro de Trroine e agórra vou masé morrarr do même bairre, ó menes nã tenhe desculpas prra não chegarr atrrasáde e terr que pedirr justificação porrque o gatinhe tinha um pêle entaláde da garrganta e nã conseguia tussirr e […]

Read More

Apá sóce…porr incrrivél que parreça ache nunca tinha começáde um texte desta manêrra. Eu cá vou vos contarr uma das minhas aventurra com a nha ZAC. Ahe perrguntem vocês munte bein: “O qué qué insse duma ZAC?”. A ZAC uma bicicleta a pedal as sein os pedais e a batarrias. Uma especie de bicicleta da […]

Read More

Apá agorra porr causa nã sei du quein vocês fizerrem-me alembrrarr uma cena que pela sua simplicidade é bem curriósa! Tava eu munta bem ca nha Marria Charroca quande táva um gaje a mirrála de munte lá ó funde caté tinha que arremelgarr assim os olhinhes prra conseguirr verr alguma coisinha caté parrcia um farról […]

Read More

Apá, ê cá já tou mai farrte de currtarrem tude que daqui becáde já os tenhe rentes! É só a currtarr no povo, e que têmes que fazerr munta sacrrificio, mas a verrdade é só uma, o estáde sim, deverria fazerr o sacrrificio e o estáde somes toudes nóses. Só cuns são mai coutrres. A […]

Read More

Hoje tive um pesadele que nã sonha a ninguém, munte piorr ca crrise que toudes nós tames a atrravessarr. Aqui na nossa cidade tá uma crrise munta grrande même, iste tá piorr que no tempe em que tinhames que rasparr uma pedrra pómes pelo azête e penssarr querra turradinha… A cidade de Setúbal táva completamente […]

Read More

Diz um sóce prró outrre: “Apá sóce já visteses o ganda burráque que tá ali da Madêrra?” responde o outrre “Eia ágórra…querres verr cu cásque do bárrque tá toude cheie da carrunche e esta merrda touda ainda vai ó funde?” Táva uma cão sarrnente toude cagáde ali a passarr em frrente dos Mirrandas das madêrras, diz um gáte […]

Read More

Um dia destes acurrdei munta mal disposte. Tive um pesadêle que qualquerr pessoa da cidade de Setúbal irria ficarr aterrorrizáda se tivesse. Sunhei que quande acurrdei, táva dum munde completamente apócaliptrrico da nossa cidade, nã havia azul do céu, táva tude cinzente. Quande saie à rua, na havia verrdes em láde dnhum, tude sem corr…De […]

Read More

Ê cá de noite quando vou da Marrgarrida do Sáde, quando se tá mai parradinhe dá prra pensarr em munta coisa ou même quande tou lá da loja durrante o dia. Já disse quié uma prrumessa, mas nós têmes que fazer aquilo que acrreditamos, eu cá acrredite em tanta coisa, é verrdade, mas hojem vames […]

Read More

Facebook